26 de setembro de 2006

Então...


Acharam que era uma metáfora, algo que lembrasse a música... "Eu hoje joguei tanta coisa fora..." Mas não. A Patrícia estava com uma necessidade urgente de jogar coisas fora mesmo. Ou melhor, fazer uma limpa nos armários. Fazer a energia circular. Coisas de mulher. Consumista e exotérica.
Não tente entender.
Lá fomos nós na aventura rumo ao exótico("quem usa uma blusa dessas?") e ao esquecido("nem me lembrava que essa roupa existia").
Um armário de mulher pode ser um verdadeiro estudo antropológico. A moda consegue ser mais inconstante do que nós. E assim, como as mulheres, tem épocas que são impossíveis de serem entendidas. Ou acompanhadas.
E uma a uma, as peças foram saindo do armário e fazendo montanhas no chão. Algumas peças tinham histórias para contar e o valor sentimental fazia com que elas voltassem para o armário. As roupas da gravidez. (Como se desfazer dessa calça que me acompanhou por 9 meses? Tão boa...). Algumas peças foram "salvas" na repescagem. ("Não são usadas, mas ainda têm potencial.") Outras tiveram seu fim decretado: (Foi bom, durou até demais! Mas, adeus!).


By Renata que ganhou muitas roupas da Patrícia e agora combinaram de fazer faxina no armário dela. Não por estar incomodada, está leve como a amiga, mas porque a tal da energia tem que circular. Canja de galinha e crendices não fazem mal a ninguém, né?!

6 comentários:

Jacque Muniz disse...

Oie!
Eu dei nota pro teu blog no orkut.
Vou dar uma olhada nele, blz.
Comenta no meu blog ^^

Bjs.

Don Juan disse...

Oi Renata , vou linkar seu blog no meu. Vc disse que não sabia como linkar , é facil . Me procura no orkut que eu ensino.

Bjs

paulão disse...

Oi moças, vi a nota no orkut e resolvi vir aqui. Já até tinha vindo e continuo gostando daqui. Voltarei outras vezes. Abs.

C.Q.C.M. disse...

Oi, vi seu link no Orkut e tal decidi passar para ver qual que era, e esse texto é interessante apesar de eu não acreditar nesses negócios de circular energia, sempre jogo as coisas foras, alias me livro delas quando passa alguém aqui para pedir roupas, mas tenho um certo apego por coisas inúteis como aquele obleto metalico não identificado na garagem com a desculpa de que "pode ser útil algum dia" eu não me desfaço.

maria antonia disse...

como sempre adoreiiiiiiiiiiiiiiiiiii né???? Mto legal a comparação entre a moda e a cabecinha de nós mulheres, pelo menos a minha foi rettratada ali hehehehehehehe.
Parabéns!!!!!! Hj tb quero jogar muita coisa fora, mas as incertezas, tristezas, dúvidas será que consigo??? Bj

Anônimo disse...

Rê, você é tudo de bão.
:)

Mago