17 de julho de 2006

Xote das meninas


Não havia um motivo especial para a festa. Apenas a vontade de reunir os amigos. Não por saudade, já que todos se vêem sempre. Mas for afinidade, por vontade de ficar junto. Talvez não fosse a melhor ocasião para levar o novo namorado, entretanto não parecia o certo não levá-lo, já que desde que começaram a trocar e-mails, eles não se desgrudam e também não queria perder a festa. Sendo assim, mapa na mão, lá vão eles para o sítio.
Que bom que ele não corre na estrada, mas não tem um cd no carro que ele goste! O jeito é ir conversando, assunto é que não falta num início de namoro. Dá um a vontade de contar toda a sua vida! E inevitavelmente, se conta e inevitavelmente, arrepende-se depois.
Mas nesse momento nada disso importava. A mãe já tinha o conhecido e agora era a vez dos amigos. O que será que eles iam achar? No mínimo, incomum, já que era coisa rara vê-la acompanhada. Ai Deus! E se eles começassem com piadinhas sem graça? A intimidade te deixa tão exposta e como havia intimidade entre aquela turma que era amiga há mais de 20 anos! Isso, eles são amigos e nunca fariam algo desagradável. Quanta bobagem se preocupar com isso!
Hum... ele não corre, não reclama do mapa, pede informação, pára para comprar chicletes e fala que você é linda toda vez que troca de marcha... Se for bom demais para ser verdade, mentiras sinceras também interessam.

By Renata que está feliz. E isso basta.

3 comentários:

Vladimir disse...

Gostei da citação "mentiras sinceras me interessam", às vezes até isso faz falta, né? Boa sorte!
Bjs

Anônimo disse...

hehehehe gostei !!!!!!

O q importa é se está feliz !!!

Mas me lembrou o carnaval. Levei minha ex para junto de amigos de 20 anos, e um deles brigou com ela. Fomos embora de Caldas Novas (cidade turística - 170Km de GYN) na segunda de ônibus.

É a vida, agora penso três mil vezes antes de mostrar a cara.

Vinícius.

Renata disse...

A questão de mentira e verdade às vezes me parece um pouco subjetiva. Não é estranho, já explico. Muitas vezes falamos algumas coisas levados pelo entusiasmo do momento... essas eu chamo de mentiras sinceras.
Eu acho importante conhecer a vida do seu parceiro. A gente conhece uma pessoa quando ela está entre os seus. Onde ela é espontânea. E é importante as partes se darem bem. Nenhum homem é uma ilha. Nem que seja uma "ilha acompanhada".