30 de junho de 2006

Dois lados da mesma moeda

Nasci: Muitas chuvas e trovoadas, um mau começo. Mas muito amor , algum amparo, uma força imensa: fé – muita fé, sorte, pessoas certas, dinheiro para sobreviver, uma determinação e uma obstinação tamanhas e 13 anos de terapia completados agora - salvadores.
Fui indo...
Agora aos trinta nunca estive tão feliz e realizada. E muito feliz por chegar aos 30 anos.
Concordo com aquela musiquinha do Kid Abelha ”A vida que me ensinaram como uma vida normal, tinha trabalho, dinheiro, família, filhos e tal. Era tudo tão perfeito se tudo fosse só isso, mas isso é menos do que tudo, é menos do que eu preciso.” ,
Aos 30 anos a tal vida normal já está toda conquistada, maravilhosamente bem. Tuuuudo de bom. A luta diária é pela manutenção!!!
Mas realmente tudo não é só isso. E aí é que entra a parte boa de ter 30.
A maturidade, a segurança, a confiança, a experiência, a bagagem. O APRENDIZADO.
As minhas conquistas , que vieram através do caminhar ao longo dos anos me permitem dizer com a boca cheia: Realizada.
Uma dúzia de amigos de fé, irmãos camaradas.
Experiência profissional. Segurança pra investir no próprio negócio. O mercado de trabalho respeita a maturidade. E sinceramente, 30 aninhos na minha opiniao ainda fazem parte do pacote "flor da idade". É o começo.
E o sexo? Ah... Imcomparavelmente melhor.
O viço não é o mesmo dos 20 anos, quiçá a bundinha. Mas a gente usa Renew, se precisar Lancóme, vai para academia e paga um personal para ficar pelo menos apresentável – porque marombeira não sou e nem serei, gostosona só na próxima encarnação porque este corpo que Deus me deu não tem exatamente o biotipo das modeletes maravilhosas.
Mas me sinto poderosa. Muito mais interessante, sedutora, com um humor refinado, percepções maduras sobre mim e o mundo.
Aos 30 anos, a gente já tomou algumas cacetadas e se tiver um pouco de inteligência aprende com os erros. E se torna mais humilde.
Não ser a dona da verdade, pelo contrário entender que não existe a verdade absoluta. Que todos tem suas razões e que a gente gosta das pessoas - quando gosta de verdade - não é pelas qualidades e só, mas apesar de.
Balzaca feliz, feliz por ser mulher e não mocinha.
O tempo dá sabedoria.
Que Deus conserve!

Post by Patrícia – que depois de 6 anos de cabelo curtinho está deixando o cabelão porque sabe que é a última vez...

Um comentário:

michel disse...

passando p me atualizar nos seus posts.bjus.todos ótimos.