7 de julho de 2009

Amar se aprende amando


Marcela me enviou por email um artigo intitulado: Um ano sem sexo.
Li e respondi à Marcela: prá mim, só faltam 6 meses.
A autora, a jornalista Hephzibah Anderson, diz que foi motivada pela dor de cotovelo. Também eu, certa vez, pela mesma razão, fiz voto de castidade que durou quase nada.
Mas, agora, é diferente. Os motivos que me levam à abstinência são outros. Vários outros. Todos eles convergem no mesmo ponto: superficialidade. Os encontros se tornaram tão superficiais que não há nem vontade de sexo casual. Pelo menos, eu não sinto. A entrega é cada vez menor, as pessoas não querem se mostrar, escondem sentimentos negativos. Todos fogem do conflito. Querem só a parte boa da relação. Quem não se dá, provavelmente nada recebe. E eis que surge mais uma relação sem vida, sem graça, sem nada que a sustente.
Num mundo cheio de instrumentos tecnológicos , as relações entre as pessoas acontecem com mais velocidade e com menos compromisso de continuidade. O dogma "o importante é ser feliz" é interpretado como: " o importante é eu me dar bem não importa às custas de quem, afinal a felicidade é efêmera".
A entrega é uma atitude, é acreditar em si e apostar no outro. É disponibilidade.
De que outra forma aprenderíamos a amar?


By Renata que se emociona com seriados de tv e não se cansa de assistir Thriller.

Ilustração:http://lezio.junior.zip.net/index.html

12 comentários:

Rosangela A. Santos disse...

Todos querem amar e ser amado .. parece que ficou tudo tão superficial ..

ótimo o seu texto!!

Abç

30 e poucos anos. disse...

Para aqueles que preferem harmonia, felicidade e satisfação plena, ficar alguns meses ou anos sem sexo não significa nada...as vezes sexo vazio, apenas para matar uma vontade imediata pode destruir a sua harmonia.

Kallynka Fernanda disse...

Verdade Renata. Acho que algumas expressões tem sido distorcidas de acordo com o interesse de cada um. Ter compromisso com alguém e saber amar são qualidades pra poucos.Vivemos em um mundo onde as pessoas só querem o venha nós,e vosso reino nada!!!
É preciso amar e se entregar sem reservas se quisermos ser amadas e valorizadas. Eu amo amar meu marido!!!

Abraços,

BRUNO disse...

Olá Renata. Vim aqui retribuir sua visita ao meu blog. A respeiro do seu post, acho que os encontros ficaram superficiais exatamente pela procura de sexo casual, não é? Afinal, já se sabe como isso vai acabar... E obrigado por perceber o quanto explícito foi o personagem de meu texto, nem todos percebem isso rsrsrs

Bjs!

Jéssica Modinne disse...

Amar e ser amado é tão difícil quanto encontrar uma "agulha no palheiro", por isso ninguém mais tá afim de fikr esperando a felicidade no amor e o sobra p/ sexo preencher o vazio do coração, ou, pelo menos, enganar que preenche.
Ninguém quer andar de mãos dadas e conversar, agora tudo vai direto "p/ finalmente", sem que esse mesmo "finalmente" seja uma relação.

www.hoppipollablog.blogspot.com

Igor Pinheiro disse...

Legal o blog.
Concordo com o que já disseram anteriormente, amar e ser amado é difícil. Mas é isso aí, faz parte... Muito bom o texto!!


http://tvecine.blogspot.com/

Jenny disse...

gostei muito muito do seu texto

Raphael C. Lima disse...

Até concordo com você... em parte! Pra mim, o sexo, mesmo que casual é uma oportunidade de se aprofundar no conhecimento de outrem. Mas isso depende muito da visão do sexo que cada um tem. Pra mim, mesmo que seja algo de um dia, nunca é superficial. Mesmo que não haja comprometimento, revela uma grande parte do nosso eu. O ato é sempre de muito envolvimento. Mas poucos tem esse feeling.

http://letraetela.blogspot.com/

Raiana Reis disse...

Adorei a reflexão e compartilho com vc as mesmas sensações. Quando tudo é vazio e apenas superficial cria-se o surgimento de uma sociedade solitária, por vezes individualista, por outras... a proteção contra o superficial.

Seguirei seu blog pelo feed, quero voltar mais vezes.

Abraços!
http://tocou.blogspot.com

Glayce Santos disse...

Olá! Que blog lindo! Amei a cor de fundo.
Enfim, invadi e gostei.
É, tudo tá muito torto, hj em dia; tá tudo muito solto, muito descompromissado! Muitos, e eu já fiz isso, querem ser amados, mas não se esforçam muito para amar! =(
E a gente vai aprendendo...
beijos

polyanna disse...

Olá Renata!
Adoro seu blog, seus pensamentos, textos e devaneios.. não demore tanto a escrever e nos presentear com as palavras..

beijo e bom fim de semana!!

Amanda Miná. disse...

Bom ver que ainda há pessoas que questionam nossos dias descartáveis.
Viver ignorando isso pode ser mais leve, mas vale a pena?
Gostei do seu blog! Também mantenho um, o Acaso Ensaiado! Até mais!